Os devolvidos

Início

expand_more

Todos os dias dezenas de pessoas tentam entrar na União Europeia para pedir asilo, mas essa possibilidade, inscrita e salvaguardada no Direito Internacional, está a ser-lhes negada de forma violenta. A Comissão Europeia conhece os casos de reenvios ilegais de pessoas, mas diz não ter poder para impor sanções aos países que os realizam. A violência física e psicológica infligida a estas pessoas é real e o Expresso apresenta-lhe aqui 150 casos reportados entre janeiro e setembro de 2020, depois de ter analisado durante dois meses a maior base de dados da Europa sobre os migrantes devolvidos

As histórias publicadas no Expresso

As histórias publicadas
no Expresso

Desde que completámos a recolha e tratamento de dados, mais de dois mil casos foram acrescentados à lista, que ultrapassa agora os 11 mil reenvios. Durante o verão de 2020, o Expresso falou com duas pessoas que foram reenviadas e que não estão neste relatório: Lisa, síria cristã de 40 anos perseguida pela família sunita do marido, e Matiullah, afegão de 23 anos que os talibã queriam matar por ele querer ensinar inglês tanto a rapazes como a raparigas. Lisa foi devolvida duas vezes, homens de cara tapada apontaram armas aos comandantes do barco onde ela seguia e chegaram a rasgar uma parte da borracha do bote. Já Mutiallah tentou por 15 vezes entrar na Europa, foi sempre expulso, quase sempre com recurso a violência. Lisa continua na Turquia, não tem coragem para mais uma viagem de barco, continua a viver em segredo, continua a não ter amigas entre as mulheres mais conservadoras que vivem no seu bairro porque se recusa a usar véu e fingir que é muçulmana; o marido, cozinheiro com formação superior, continua a trabalhar clandestinamente, ganha pouco e trabalha sempre mais de 12 horas. Matiullah conseguiu meter-se num cargueiro e chegou há um mês a Itália. Não vê quase nada do olho esquerdo, mas as mazelas “por dentro” são “muito mais assustadoras”.

As histórias de ambos estão num texto publicado na Revista do Expresso, onde também pode ler a opinião do fundador da base de dados que agrega os casos, o testemunho do chefe de equipa da equipa da Polícia Marítima portuguesa em Lesbos e a opinião de advogados especializados em migrações.

Saiba mais sobre estes dois casos aquitext_snippet


TextoAna França InfografiaSofia Miguel Rosa FotografiaBülent Kiliç/AFP Web DesignTiago Pereira SantoseSofia Miguel Rosa Web Developer
Sofia Miguel RosaeMaria Romero
Coordenação editorialJoana Beleza DireçãoJoão Vieira Pereira
Texto
Ana França
Infografia
Sofia Miguel Rosa
Fotografia
Bülent Kiliç/AFP
Web Design
Tiago Pereira SantoseSofia Miguel Rosa
Web Developer
Sofia Miguel Rosa
eMaria Romero
Coordenação editorial
Joana Beleza
Direção
João Vieira Pereira

Veja mais
ⓒ Expresso - Impresa Publishing S.A. 2020